Segundo dia do Global Halal Brazil Business Forum aborda inovação e tecnologia no processo Halal

O segundo dia do Global Halal Brazil Business Forum reuniu especialistas para falar sobre inovação e tecnologia no processo de certificação Halal.

A conselheira sênior do presidente do Banco Islâmico de Desenvolvimento, Hayat Sindi, abriu a programação com o primeiro painel do dia. Ela falou sobre a importância de levar inovação e novas tecnologias para o mercado Halal, que atrai cada vez mais atenção de legisladores e do setor privado no mundo.

Sindi foi eleita uma das 100 mulheres inspiradoras e influentes do mundo em 2018 pela BBC e é embaixadora da Ciência da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).

No segundo painel do dia, especialistas apresentaram a rastreabilidade possibilitada pelo blockchain. o gerente de TI da Câmara de Comércio Árabe-Brasileira, Marcos Bulgarelli, foi o moderador do painel “Digitalização e Blockchain: a nova fronteira para a indústria global halal”, e explicou como funciona o rastreamento por meio de um QR Code.

O painel reuniu Marco Tieman, fundador e CEO da LBB International, da Malásia; Ashraf El Tanbouly, CEO da Câmara Islâmica de Serviços de Certificação Halal; e Nicholas Buhmann, gerente comercial da Tradelens. Os especialistas explicaram que o blockchain é fundamental para a checagem dos processos envolvidos na certificação e ressaltaram que as inovações tecnológicas chegam para passar mais confiança aos consumidores dos produtos Halal.

Sistema de Rastreabilidade da FAMBRAS HALAL

O Sys Halal, sistema de rastreabilidade da FAMBRAS HALAL, foi apresentado ao público durante o painel “Rastreabilidade e confiança – a tecnologia a favor da segurança do alimento Halal”. O vice-presidente da certificadora, Ali Zoghbi, falou sobre a importância do Sys Halal: “O Sys Halal foi desenvolvido para comprovar a segurança dos nossos processos e o comprometimento absoluto com as práticas da certificação”, disse.

Zoghbi pontuou as principais vantagens do sistema. “O Sys Halal possui elementos rígidos de segurança. Oferece facilidade no processo de solicitação de certificados de embarque através de uma interface intuitiva e responsável, e a segurança através do uso do QR Code. Uma outra vantagem é que o sistema centraliza a comunicação e documentação de todo o processo Halal”, declarou.

Rastreabilidade nas grandes empresas brasileiras

Os CEOs das empresas brasileiras de proteína animal BRF, JBS-Seara e Marfrig se reuniram no painel para falar sobre o trabalho de rastreabilidade e sustentabilidade de seus produtos.

A Marfrig lançou o programa Verde + e investirá R$ 500 milhões nos próximos cinco anos, garantindo a integração dos produtores e assim, a transparência dos processos de ponta a ponta. A Seara investe em diferentes tecnologias para garantir a qualidade e a rastreabilidade de seus produtos, e a BRF está avançando em projetos de geração de energia a partir de fontes limpas.

Em mensagem de vídeo, Lorival Luz, CEO da BRF, afirmou que a produção da empresa é absolutamente dedicada ao mercado Halal e destacou os mais de 50 anos da marca Sadia no mercado do Oriente Médio.

“Começamos a operação nos anos 1970 e hoje faz parte do nosso compromisso e da nossa estratégia estar cada vez mais presente nessa região”, disse.

O CEO da Marfrig, Miguel Gularte, detalhou o programa Marfrig Verde +, criado para acelerar a sustentabilidade na cadeia de valor da carne bovina, com foco na inclusão do produtor. Ele disse que também utiliza o blockchain no sistema de rastreabilidade da Marfrig e que está convencido que o mundo vai avançar por este caminho.

“Sustentabilidade hoje já não é uma opção. Sustentabilidade e rastreabilidade são a única opção”, disse Gularte.

O presidente da Seara, João Campos, ressaltou que a empresa é a primeira com ecossistema de benefícios de gestão de recursos naturais e de negócios para os seus produtores integrados. Ele informou que a empresa também tem investido em tecnologia. A Seara possui 26 plantas que exportam frango halal para mais de 30 países.

“Para nós, o produto halal é um sinônimo de qualidade, garantia de procedência e segurança alimentar e por isso dedicamos e investimos muito para assegurar que nossos produtos atendam e liderem as demandas e as tendências de nossos consumidores”, disse.

O diretor de Pesquisa e Desenvolvimento da Embrapa, Guy de Capdeville, e o CEO e secretário-geral da Câmara Árabe, Tamer Mansour, também participaram do debate.

Halal além das fronteiras

A certificação Halal além das fronteiras foi o tema tratado pelo gerente de qualidade na Conselho Islâmico de Alimentação e Nutrição da América (Ifanca, da sigla em inglês), Saeed Hayek.

Participando de forma remota, Hayek frisou que hoje a maior parte das autoridades no mundo Halal ainda não permitem a certificação além das fronteiras. “É estranho pensar que as autoridades não concordem com um padrão único. Elas não chegam a um consenso. Mas quando falamos de certificação transfronteiriça elas tendem a não aceitar. As autoridades devem se concentrar em atender as exigências Halal em termos de qualidade e não se restringir às fronteiras”, argumentou ele.

O executivo avalia que a barreira na unificação pode vir de uma questão de segurança, mas que da perspectiva do consumidor, a certificação transfronteiriça é aceita.

O diretor de Relações Internacionais da FAMBRAS HALAL, Nizar El Ghandour, participou do último painel do dia: “Acreditadoras e Regulamentadoras – Golfo e Ásia. Representantes dos principais órgãos de acreditação participaram de maneira remota para falar sobre a padronização.

“A padronização é muito importante para o mundo todo. Poderíamos falar disso por horas”, afirmou Ghandour.

Abdulla Al Ali, chefe da Seção de Registro do Departamento Nacional de Acreditação do Ministério da Indústria e Tecnologia Avançada dos Emirados Árabes Unidos; Muhammad Naim Mohd Aziz, diretor assistente sênior do Departamento de Desenvolvimento Islâmico da Malásia (JAKIM); Muti Arintawati, diretora executiva da acreditadora internacional LPPOM MUI  e Amnah Shaari, vice-presidente da Câmara de Comércio Árabe Malaia, CEO e Fundadora do Serunai Commerce Sdn Bhd, explanaram seus pontos de vista sobre o assunto.

O Global Halal Brazil Business Forum, organizado pela FAMBRAS HALAL e Câmara de Comércio Árabe-Brasileira, acontece até amanhã (08).

O fórum conta com patrocínio da Agência Brasileira de Promoção das Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), BRF, Pantanal Trading, Portonave e a Iceport. A apresentação é da jornalista Renata Maron.

 

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *